PROPAGANDA BRASILEIRA PERDE ALTINO JOÃO DE BARROS
ALTINO.jpg

Altino João de Barros, uma das mais emblemáticas figuras da Propaganda Brasileira, morreu no último domingo (18/02), em São Paulo, aos 92 anos, deixando um enorme legado para o mercado.

 

Orgulhava-se em dizer que havia iniciado sua brilhante e histórica carreira, na McCann Erickson, em 1944, aos 18 anos, “carregando os pesados estéreos e clichês para os jornais”, materiais desaparecidos com o avanço tecnológico.

 

Conhecido como excelente narrador de curiosos fatos relativos à profissão, Altino foi galgando degraus até chegar à Direção de Mídia da Empresa e, com seu conhecimento e credibilidade passou a participar de inúmeros órgãos, como o Instituto Verificador de Circulação – IVC, do qual foi um dos fundadores. Ele também ajudou a fundar o CONAR – Conselho de Autorregulamentação Publicitária, o CENP – Conselho Executivo de Normas Padrão e o Clube de Mídia de São Paulo.

 

Para que se tenha ideia do que representava a figura de Altino João de Barros para a Comunicação brasileira, acrescente-se que ele era reverenciado por grandes empresários, como Roberto Marinho, Adolfo Bloch e Nascimento Brito.

 

O corpo de Altino foi sepultado no Cemitério do Morumbi, em São Paulo. O Sindicato dos Publicitários do Rio de Janeiro se solidariza com a família e os amigos do publicitário.